Buscar

Kultur

Le Petit Prince

por Haydêe Sant'Ana

Atemporal e repleto de significados, livro clássico de Antoine Saint-Exupéry ganha versão para o cinema (Foto: Divulgação)

Os números falam por si. Terceiro livro mais vendido no mundo. Traduzido para mais de 220 línguas. No Brasil, 8 milhões de exemplares vendidos. "O Pequeno Príncipe", de Antoine Saint-Exupéry, é um fenômeno mundial desde a sua publicação em 1943. A história clássica acaba de ganhar uma roupagem cinematográfica. Assim como o livro, o filme tem encantado adultos e crianças pela simplicidade e ingenuidade com que trabalha temas como o amor e a amizade.

Na versão adaptada para o cinema, a história do pequeno príncipe é contada por um velhinho a uma garotinha que vive sob a vigilância de uma mãe controladora e obsessiva em impor rígidos horários de estudos à menina. Cansada da rotina, a garotinha encontra na amizade do vizinho idoso uma fuga para o tédio cotidiano. Nos encontros à tarde, após a escola, a menina tem contato com a história de um pequeno príncipe que vivia em um asteroide em companhia de uma rosa.

Diferentemente de buscar reproduzir a obra na íntegra, a animação do diretor Mark Osborne procura transmitir a essência da história por meio da adaptação. No filme, a vida da menina se mistura à história do livro fazendo a garota imergir no universo para encontrar o pequeno príncipe, que na animação já é adulto e se mostra indiferente ao mundo lúdico da fantasia e dos sonhos.

Considerando a realidade das relações humanas, cada vez mais midiatizadas e intermediadas pelas novas tecnologias, a temática do filme é bem atual por mostrar a importância da valorização dos laços verdadeiros de amizade, de buscar o próximo e de cultivar as pessoas. A leveza e a simplicidade com que o filme aborda temas que são naturais e próprios do ser humano é fantástica.

"O Pequeno Príncipe" é agora uma obra duplamente primorosa, que serve de lição para crianças, jovens e adultos de todo o mundo. O livro, agora também a animação, devem ser apreciados principalmente quando nos esquecermos de que a vida é feita de imaginação e sentimentos, e o que realmente importa é invisível aos olhos.


Outras notícias

» No espaço comum » Livre para ousar » Cinco graças » Rio, avant-garde » Eu vou... A Dubai, Doha ou Pequim?
Vox Objetiva

© 2012 Vox Objetiva e seus colaboradores. Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a cópia ou reprodução do conteúdo do site sem autorização.

Lazuli Studio