Buscar

Salutaris

Fazendo as pazes com a mente

por Bárbara Caldeira

Exercícios para estimular o cérebro e cuidados com a alimentação são as principais armas contra os maiores inimigos contemporâneos: o estresse e a rotina, antes comuns na vida de Fernanda Santiago e tantas outras pessoas (Foto: Arquivo pessoal)

Acordar cedo, lidar com a pressão da produtividade, exercer várias funções, dormir tarde e nunca relaxar. Esse ritmo pesado resume a realidade de grande parte dos brasileiros. Estudos feitos pela International Stress Management Association (Isma-BR) mostram que o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking de países com maior incidência de estresse do mundo. O país foi ultrapassado apenas pelo Japão.

Mesmo com esse panorama, o bem-estar mental raramente é visto como algo relevante. “Na sociedade atual, há uma notável intensificação do culto ao corpo. Vivemos uma era de vaidade excessiva e de uma busca desenfreada pela beleza. Se, por um lado, a corrida por uma boa aparência produz bem-estar emocional, por outro, a hipervalorização da estética em detrimento de uma boa saúde emocional tem produzido uma geração de pessoas doentes”, afirma o médico psiquiatra Ismael Gomes de Oliveira Sobrinho.

O especialista alerta sobre os perigos dessa balança irregular. “O cérebro é nosso órgão de comando. Ele organiza as questões emocionais, imunológicas e hormonais. Assim é difícil ter uma boa saúde geral sem cuidar bem dele”, enfatiza. Sobrinho explica que o órgão trabalha como uma máquina. Isso porque o cérebro depende do equilíbrio de substâncias químicas para funcionar de forma adequada. “O estresse, o excesso de trabalho e o sono irregular causam sobrecarga no cérebro e provocam desarmonia no balanço dos neurotransmissores. Esses fatores aumentam as chances de ocorrência de doenças neuropsiquiátricas e de suas consequências, mesmo que seja em longo prazo”.

Assim como o restante do corpo, a massa cinzenta necessita de estímulos obtidos por meio de atividades, como a meditação e a ioga. “É preciso sair da zona de conforto e criar soluções. A pessoa consegue isso buscando sempre atividades novas ou mesmo trazendo para as ações rotineiras um olhar criativo e diferente. Jogos e brincadeiras intelectuais, leituras e palavras cruzadas cumprem, de maneira divertida e lúdica, o papel de desafiar, testar e treinar algumas habilidades cerebrais”, defende. “É como uma musculação: você vai vendo os resultados em médio e longo prazos. Mas o progresso é nítido”, compara.

Sem estímulos, o cérebro pode se cansar. Há dois anos, a tecnóloga em logística Ana Laura Santos Teixeira sentiu na pele o que acontece quando a mente atinge o limite. Ela passava por uma fase de extremo cansaço. Trabalhando à exaustão, Ana Laura viajava para Goiás e São Paulo para abastecer a loja de roupas da família. Na mesma época, o rompimento de um relacionamento a levou a um quadro de depressão. Para distrair, mais trabalho, muitas festas e poucas horas de sono. Até aí, a história parece comum. Mas essa mistura acarretou algo inesperado. “Estava em um bar com as minhas amigas e, de repente, fiquei quieta. Cheguei em casa e não conseguia dormir. Fiquei conversando com minha mãe por um bom tempo, andando de um lado para o outro e, depois, apaguei. No dia seguinte, ao acordar, eu não me lembrava de nada. Apenas consegui reconhecer os meus pais”, relembra.

Ana Laura ficou seis meses sem conseguir ler, escrever, mexer no celular, nem se lembrar do irmão e dos amigos. Ela teve dificuldades até mesmo para falar. “Não me recordo de nenhum detalhe do período em que estive assim. Quem me conta como eu estava é minha mãe”, revela a tecnóloga. “Nunca pensei que isso pudesse acontecer comigo. Eu não sabia nem que esse tipo de coisa existia”.

Com medicamentos e terapia do sono, Ana Laura foi se recuperando aos poucos. No entanto, a medicação trouxe novos problemas. “Engordei cerca de dez quilos, passei a ter muitas espinhas e sofri uma severa queda de cabelos. Minha autoestima despencou, e fiquei muito deprimida”, confessa. Hoje, pronta para retornar ao mercado de trabalho e iniciar uma especialização, a tecnóloga perdeu todo o peso que ganhou e mais um pouco. Ana Laura mudou a alimentação e passou a fazer exercícios físicos. Com isso, ela também resolveu o problema da pele, e os cabelos voltaram ao normal. “Consegui dar muito mais valor às coisas pequenas e cotidianas. Descobri que é importante pisar no freio e escolher bem as pessoas com quem você divide a sua vida. Agora sou bem menos ansiosa. Percebi que cuidar do lado espiritual também é fundamental”.

Outra a aderir a um corpo são e uma mente sã foi Fernanda Santiago. Também há dois anos, a rotina da artista plástica mudou radicalmente. “Decidi lutar pela melhor

qualidade de vida e viver com saúde mental e física. Para isso, precisava rever alguns hábitos. Foi a partir daí que muita coisa mudou”, conta. Na época, Fernanda acumulava 12 anos de produção de eventos, principalmente noturnos. “Enquanto a maioria ia dormir, eu saía para trabalhar. Sempre amei produzir festas, mas a tensão e a ansiedade eram minhas companheiras constantes”.

Por praticidade, Fernanda recorria a uma alimentação à base de congelados, pão e macarrão instantâneo. “Com essa loucura de horários, acabei ficando com insônia. Não desejo isso nem para o meu pior inimigo”, brinca. No novo estilo de vida, tudo é bem diferente. “Comecei a comer mais alimentos que vinham da terra, como frutas, legumes, verduras e grãos. Tento dar preferência aos orgânicos e tenho a sorte de dispor de uma pequena horta”, diz. Carne vermelha, conservantes, aromas, corantes artificiais, produtos refinados e que contêm agrotóxicos ficaram de fora. “As vitaminas e os minerais exercem um papel fundamental para o bom funcionamento do nosso cérebro. Ao consumi-los com frequência, senti uma melhora significativa na minha memória e no meu déficit de atenção”.

Com uma vida mais saudável e o sono em ordem, a criatividade de Fernanda veio à tona. Sentindo-se bem consigo, ela retomou sua antiga paixão pela pintura. E como prêmio, ganhou uma prazerosa profissão: artista plástica.


Outras notícias

» De malas prontas para o verão » O elo do amor » Da prevenção à terapia » Arte para a vida » Para fugir da rotina
Vox Objetiva

© 2012 Vox Objetiva e seus colaboradores. Todos os direitos reservados.
É expressamente proibida a cópia ou reprodução do conteúdo do site sem autorização.

Lazuli Studio